11 de Abril de 2012

QUANTAS VEZES DEVEMOS PERDOAR?

Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes? Mat. 18:21.
Acho que terei uma eterna dívida a Pedro. Pedro fala por todos nós. Gosto muito deste lado humano dele. Identifico-me com a sua experiência. Provavelmente, você também. Pedro não é um santo isolado, assentado num mosteiro a orar o dia inteiro. Nas situações do dia-a-dia, ele diz o que pensa. Ele deixa clara a sua posição. Às vezes, é impulsivo e fala-barato. Mas é sempre sincero.
Um dia, Pedro veio ter com Jesus, e fez uma pergunta importante. "Mestre", disse ele, "se meu irmão pecar contra mim, quantas vezes deverei perdoá-lo?" Sem esperar a resposta de Jesus, Pedro adiantou-se e respondeu à sua própria pergunta: "Sete vezes?" (Mat. 18:21). Para Pedro, sete era um exagero. Ele presumiu que Jesus o aplaudiria.
Os rabinos tinham um ditado: "Se uma pessoa pecar contra você uma vez, perdoe. Se ela pecar contra ti duas vezes, perdoe. Se ela pecar três vezes, perdoe. Se ela pecar contra quatro vezes, retribua-lhe na mesma moeda.” Eles achavam suficiente perdoar uma pessoa três vezes. Depois disso, a justiça exigia retribuição.
Pedro pensava que perdoar a um irmão sete vezes era ficar muito próximo da perfeição divina. Ele levou o perdão muito além da limitada ideia farisaica. Sete, era mais que o dobro das vezes que os rabinos estavam dispostos a perdoar. Sete era o número da perfeição.
Imagine a surpresa de Pedro quando Jesus diz: "Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete." Mat. 18:22. Como poderia alguém perdoar a uma pessoa que o ofendeu 490 vezes? Nosso amoroso Pai poderia! Ele misericordiosamente permaneceu ao lado dos judeus durante séculos, concedendo-lhes a Sua misericórdia repetidas vezes. Ele enviou profeta após profeta, mensageiro após mensageiro. Então, enviou o Seu próprio Filho, e eles crucificaram-n´O. Pacientemente, Ele ofereceu perdão, embora Israel se rebelasse continuamente.
Jesus queria que Pedro entendesse esta verdade vital, e Ele deseja que nós também a entendamos: O perdão não é medido pelo número de vezes que alguém nos ofende. O perdão está enraizado na própria natureza de Deus. É uma atitude de misericórdia, que não guarda rancor.
Perdoa-se porque o perdão é a coisa certa a ser feita. É o que Deus faria.